COMPARTILHE ESSA PUBLICAÇÃO

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no whatsapp
Uma linha completa de materiais com informações
úteis para que você se mantenha atualizado.

Com os avanços na detecção precoce e no tratamento do câncer, existem, aproximadamente, 32,6 milhões de pessoas vivas no mundo todo com histórico de câncer (cinco anos após o diagnóstico, de acordo com estatísticas de 2012).   

O tratamento contra o câncer, na maioria das vezes, provoca consequências físicas, nutricionais e psicológicas. No entanto, alguns recursos terapêuticos são capazes de melhorar a qualidade de vida e podem oferecer acréscimos atraentes às opções de tratamento atualmente disponíveis.

Dentre eles, a intervenção nutricional é uma parte fundamental na terapia oncológica, pois oferece um auxílio positivo na recuperação e no bem-estar dos pacientes. 

Alguns fatores relacionados ao desequilíbrio energético, como a obesidade, por exemplo, estão ligados a vários tipos de câncer, incluindo câncer de mama, câncer de endométrio, câncer de próstata e câncer colorretal.

Nesse contexto, dieta, atividade física e peso são fortes aliados do balanço e equilíbrio energético, pois descrevem a relação entre a energia consumida (dieta), a energia gasta (atividade física) e a energia armazenada (adiposidade).

 Logo, o sobrepeso, a inatividade, a má qualidade da dieta e a síndrome metabólica estão relacionadas à diminuição da sobrevida geral.

Alguns estudos epidemiológicos prospectivos sobre dieta e doenças crônicas têm gerado avanços na compreensão de como a intervenção nutricional adequada pode melhorar a resposta clínica dos pacientes.

Macronutrientes

Carboidratos

Têm efeitos diferenciais sobre os níveis de glicose pós-prandial e o índice glicêmico. Dietas com alto índice glicêmico aumentam o risco de desenvolvimento de diabetes mellitus tipo 2, doença coronariana e alguns tipos de câncer. Uma forma importante de alcançar uma dieta saudável é substituir os carboidratos com alto índice glicêmico (por exemplo, arroz branco, panquecas) por um baixo índice glicêmico (por exemplo, frutas, vegetais).

Proteínas

Os indivíduos devem ser aconselhados a comer uma variedade de alimentos saudáveis ​​ricos em proteínas, incluindo peixes, carne magra, aves, ovos, feijão, ervilhas, produtos de soja, nozes e sementes sem sal.

Fontes comuns de proteína incluem alimentos integrais (por exemplo, carne, peixe, ovo, vegetais, leite) e proteínas em pó (por exemplo, caseína, soro de leite, soja). A fonte de proteína tem um efeito diferencial na saúde.

Gordura

O tipo de gordura consumida parece ser mais importante do que a quantidade de gordura total. Há algumas evidências de que o consumo a longo prazo de óleo de peixe e ácidos graxos ômega-3 reduz o risco de doenças cardiovasculares.

 Fibras

Os pacientes devem ser aconselhados a substituir grãos refinados (por exemplo, arroz branco, pão branco) por grãos inteiros (por exemplo, arroz integral, pão de trigo integral), que têm maior teor de fibra.

 O aumento da ingestão de fibras está associado a muitos benefícios à saúde, incluindo uma diminuição do risco de doença cardíaca coronária, mortalidade cardiovascular e por todas as causas, câncer colorretal, acidente vascular cerebral e diabetes tipo 2.

Micronutrientes

Sódio

A alta ingestão de sódio está associada ao desenvolvimento de hipertensão e doenças cardiovasculares (DCV). O consumo regular de alimentos preservados com sal (por exemplo, peixe salgado / seco e vegetais em conserva) pode aumentar o risco, por exemplo, de câncer de estômago.

Cálcio e vitamina D

Tanto na prevenção quanto tratamento da osteoporose, os pacientes devem consumir alimentos com cálcio e/ou vitamina D, como laticínios fortificados. Boas evidências mostram que a suplementação de cálcio pode reduzir o risco de câncer colorretal.

Folato

Está presente em vegetais de folhas verdes, frutas, cereais e grãos, nozes e carnes. O ácido fólico, uma forma sintética incluída em suplementos, tem muitos dos mesmos efeitos biológicos do folato, mas é mais biodisponível. O folato é importante na síntese, metilação e reparo do DNA, bem como na regulação da expressão gênica.

O folato é associado a uma diminuição do risco de câncer de cólon e outros tipos de câncer, especialmente em indivíduos que consomem álcool, em estudos observacionais.

A nutrição e o câncer de mama

Algumas evidências sugerem que a redução da ingestão de gordura na dieta após o diagnóstico pode melhorar os resultados do câncer de mama em sobreviventes do câncer, mas ainda não há dados suficientes, até o momento, que apoiem a modificação da dieta para todas mulheres com a doença.

Os estudos se concentram tanto na ingestão de nutrientes dietéticos específicos quanto em padrões alimentares mais amplos (por exemplo, ingestão de uma dieta baseada em frutas e vegetais versus uma dieta rica em alimentos processados, carne vermelha e gordura) . 

No entanto, quaisquer relações entre os resultados do câncer de mama e qualquer padrão alimentar ou ingestão de um determinado nutriente foram inconsistentes, especialmente após o ajuste para peso corporal e outros fatores relacionados.

Leia também