COMPARTILHE ESSA PUBLICAÇÃO

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no whatsapp
Uma linha completa de materiais com informações
úteis para que você se mantenha atualizado.

Hábitos saudáveis estão conectados com a saúde mental e comer bem também é uma forma de prevenção

Hoje é uma data muito importante: 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. E desde 2015 acontece o Setembro Amarelo, uma campanha brasileira para trazer informações e conteúdos de conscientização e prevenção. Todos os anos, o suicídio aparece entre as 20 principais causas de morte no mundo – para pessoas de todas as idades. Só ele é responsável por mais de 800.000 mortes – o que equivale a um suicídio a cada 40 segundos. Toda vida perdida representa um parceiro, um filho, um pai, um amigo ou um colega de alguém e para cada suicídio, aproximadamente 135 pessoas sofrem intensamente. Para cada suicídio, 25 pessoas fazem uma tentativa e muitas mais pensam seriamente nele. Isso equivale a 108 milhões de pessoas por ano sendo profundamente afetadas pelo comportamento suicida.

Isso é um comportamento com determinantes multifatoriais, resultado de uma complexa interação de fatores psicológicos e biológicos – inclusive genéticos – culturais e até socioambientais. Dessa forma, deve ser considerado como o desfecho de uma série de fatores que se acumulam na história do indivíduo, não podendo ser considerado de forma causal e simplista apenas a determinados acontecimentos pontuais da vida do sujeito. É a consequência final de um processo.

São registrados mais de 13 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de 01 milhão no mundo (…)

Trata-se de uma triste realidade, que registra cada vez mais casos: são registrados mais de 13 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de 01 milhão no mundo principalmente entre os jovens. Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.

E como os alimentos podem ajudar?

Nesse contexto, lembramos que a alimentação tem um papel fundamental por ser capaz de ajudar a modular a nossa saúde mental. Dentre os nutrientes que podem auxiliar na ansiedade temos: probióticos, triptofano, ômega 3, vitamina E, vitamina C, complexo B e magnésio.

  • Os probióticos são microrganismos vivos que proporcionam benefícios ao intestino e à saúde do indivíduo. O desequilíbrio na flora intestinal está associado a muitos problemas de saúde, incluindo distúrbios neuropsiquiátricos, como a ansiedade. Estes favorecem o aumento da disponibilidade de triptofano e da produção de serotonina. Principais fontes: Iogurtes, leite fermentado.
  • O triptofano é um aminoácido essencial que participa do processo de produção da serotonina. Fontes: Ovos, leite, carne, soja, cereais, batata inglesa, brócolis, couve-flor, berinjela, tomate, kiwi, banana, nozes, peixes e frutos do mar.
  • O ômega 3 é um ácido graxo que reduz as respostas inflamatórias do organismo, através da redução da produção de citocinas pró-inflamatórias. Fontes: Sardinha, atum, camarão, salmão, linguado, óleo de canola, linhaça e nozes.
  • A Vitamina C e a Vitamina E possuem propriedades antioxidantes que combatem os danos causados pelo estresse oxidativo. Fontes de Vitamina C: Acerola, goiaba, laranja, limão, brócolis e pimentão. Fontes de vitamina E: Óleo de germe de trigo e outros óleos vegetais, vegetais verdes, gema de ovo, carne e nozes.
  • As vitaminas do complexo B são essenciais para a produção e metabolismo da serotonina. Fontes: carnes, leite e ovos.
  • O Magnésio é um mineral essencial que participa do processo que converte o triptofano em serotonina. Fontes: vegetais verdes escuros, carnes, peixes, leite, cereais e oleaginosas.

Muito além de conhecer à si e buscar apoio na psicoterapia, uma rotina saudável, com a orientação de um nutricionista para uma boa alimentação, também é uma base de prevenção.

# Setembro Amarelo

Escrito por: Fernanda Bortoli e Fernanda Costa

Leia também