COMPARTILHE ESSA PUBLICAÇÃO

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no whatsapp
Uma linha completa de materiais com informações
úteis para que você se mantenha atualizado.

Renata, aos 29 anos, ficou grávida pela primeira vez, e os exames, até o sétimos mês, mostraram que ela tinha um bebê normal. A partir de então, a criança parou de ganhar peso e foi considerada Pequena para a Idade Gestacional (PIG). Os médicos, porém, diziam estar tudo sob controle.

Com 38 semanas, foi realizada cesariana, pois a criança não estava recebendo os nutrientes necessários. Quando Henry nasceu, estava com Apgar 9 – exame que identifica os sinais vitais do bebê – mas, logo após, ele teve uma parada cardíaca e foi entubado. 

Nasceu com 2,6kg e, na UTI, recebia alimentação parenteral. Nada disso funcionou, Henry não ganhava peso. Ele foi perdendo peso, passou por diversos exames e foi diagnosticado, inicialmente, como intolerante à lactose, mas o caso era mais grave. 

Henry apresentava convulsões, desmaios, feridas no corpo, apneia e bradicardia, problemas esses relacionados à doença e alimentação inadequada, para o seu estado clínico, por não conseguir metabolizar os alimentos e distribuir os nutrientes para o corpo.

Por não tolerar a nutrição fornecida por nenhuma via, os médicos após vários exames, chegaram à conclusão de que o paciente tinha intolerância à todas as fontes proteicas e alimentos com frutose. Com características parecidas à Doença Metabólica Degenerativa, Henry foi diagnosticado com Erro Inato de Metabolismo (EIM), uma Doença Rara, de difícil diagnóstico. 

Diagnóstico de Doença Metabólica Degenerativa

Após muita pesquisa e tentativas em diversos centros médicos e laboratórios especializados, foi dado apenas um ano de vida ao Henry.  Além disso, chegou-se à conclusão de que realmente se tratava de uma Doença Metabólica Degenerativa, porém até hoje não identificada. 

Os médicos não satisfeitos, apresentaram à GANuttrir para Renata, para que seu filho recebesse orientação nutricional adequada. 

Doenças Raras não têm cura, mas com tratamento metabólico e nutricional indicado, por exemplo, com uma dieta personalizada, é possível dar mais qualidade de vida ao paciente e à família. Foi o que a GANuttrir fez no caso do Henry. Elaboramos uma conduta com dietas especializadas para o caso do Henry de modo a garantir que seu organismo pudesse aproveitar os nutrientes.

Mesmo sem um diagnóstico fechado, Henry recebe dieta modulada da GANuttrir e segue vencendo seus desafios, crescendo e se desenvolvendo. Somado a isso, foi importante a ajuda médica desde cedo, algo que salvou a vida de Henry e pode salvar a de tantas outras crianças. 

Essa foi a história da Renata e seu filho, Henry, que lutaram e enfrentaram barreiras para garantir cuidados especiais.

Você conhece alguma história como essa? Compartilhe conosco pelo Suporte Técnico Nutricional, através do whatsapp: (21) 96771-4313 e conte com a nossa ajuda 😉

Leia também